Logo Facebook Logo Twitter Logo TV ABA

Código de Ética

CÓDIGO DE ÉTICA DO ANTROPÓLOGO E DA ANTROPÓLOGA
Criado na Gestão 1986/1988 e alterado na gestão 2011/2012

Constituem direitos dos antropólogos e das antropólogas, enquanto pesquisadores e pesquisadoras:

  1. Direito ao pleno exercício da pesquisa, livre de qualquer tipo de censura no que diga respeito ao tema, à metodologia e ao objeto da investigação.
  2. Direito de acesso às populações e às fontes com as quais o/a pesquisador/a precisa trabalhar.
  3. Direito de preservar informações confidenciais.
  4. Direito de autoria do trabalho antropológico, mesmo quando o trabalho constitua encomenda de organismos públicos ou privados.
  5. O direito de autoria implica o direito de publicação e divulgação do resultado de seu trabalho.
  6. Direito de autoria e proteção contra o plágio.
  7. Os direitos dos antropólogos devem estar subordinados aos direitos das populações que são objeto de pesquisa e têm como contrapartida as responsabilidades inerentes ao exercício da atividade científica.

Constituem direitos das populações que são objeto de pesquisa a serem respeitados pelos antropólogos e antropólogas:

  1. Direito de ser informadas sobre a natureza da pesquisa.
  2. Direito de recusar-se a participar de uma pesquisa.
  3. Direito de preservação de sua intimidade, de acordo com seus padrões culturais.
  4. Garantia de que a colaboração prestada à investigação não seja utilizada com o intuito de prejudicar o grupo investigado.
  5. Direito de acesso aos resultados da investigação.
  6. Direito de autoria e co-autoria das populações sobre sua própria produção cultural.
  7. Direito de ter seus códigos culturais respeitados e serem informadas, através de várias formas sobre o significado do consentimento informado em pesquisas realizadas no campo da saúde.

 Constituem responsabilidades dos antropólogos e das antropólogas:

  1. Oferecer informações objetivas sobre suas qualificações profissionais e a de seus colegas sempre que for necessário para o trabalho a ser executado.
  2. Na elaboração do trabalho, não omitir informações relevantes, a não ser nos casos previstos anteriormente.
  3. Realizar o trabalho dentro dos cânones de objetividade e rigor inerentes à prática científica.

separador

CODE OF ETHICS OF THE ANTHROPOLOGIST 
Created in the Administration of 1986-1988 and revised in the administration 2011-2012

The rights of anthropologists as researchers include:

  1. The right to fully conduct research, free of any type of censorship in relation to theme, methodology and object of investigation.
  2. The right to have access to the populations and to the sources with which the researcher works.
  3. The right to maintain confidential information.
  4. The right to authorship of anthropological work, even when the work is commissioned by public or private entities.
  5. The right of authorship implies the right to publish and promote the results of a study.
  6. Right to authorship and protection against plagiarism.
  7. The rights of anthropologists must be subordinated to the rights of the populations that are the objects of research and are complemented by the responsibilities inherent to the exercise of scientific activity.

The rights of the populations that are objects of research that must be respected by anthropologists include:

  1. The right to be informed about the nature of the study.
  2. The right to refuse to participate in a study.
  3. The right to have their privacy protected, according to their own cultural standards.
  4. The guarantee that collaboration with the study will not harm the group under  study.
  5. The right to access the results of the study.
  6. The right by a population to the authorship and co-authorship of its own cultural production.
  7. The right to have their cultural codes respected and to be informed, in various forms, about the meaning of informed consent in studies conducted in the field of health.

The responsibilities of anthropologists are:

  1. To provide objective information about their professional qualifications and that of their colleagues whenever needed for the work to be conducted.
  2. In the preparation of the work, to not omit relevant information, except in cases previously mentioned3. To conduct the work within the canons of objectivity and rigor inherent to scientific practice.